terça-feira, 28 de agosto de 2007

I'm Back!

Hoje, vou falar um pouco sobre religião...

Neste final de semana, dias 25-26/08/2007, estive na 5ª etapa (de 6) da Escola de Educadores de Adolescentes e Jovens na Fé no IFA (Instituto Filosófico de Apucarana). Lá, estamos desde Março (uma vez por mês, pulando Junho), estudando e nos aprimorando como Assessores/Educadores na Fé para trabalharmos em grupos de base seguindo a dinâmica e espiritualidade da Pastoral da Juventude. Ou seja: estamos nos aperfeiçoando e aprendendo como chegar às paróquias para montar grupos de jovens seguindo os rumos da PJ.

E este lugar, o IFA, é também um Seminário para estudo e formação de novos Padres. Neste lugar, enquanto andava pelos seus corredores labirínticos, me deparei com o quarto do Reitor do Seminário. Na porta dele, me chamou a atenção uma pilha de envelopes no chão que continham provavelmente algumas fichas, e do lado de fora havia um selo impresso com o endereço ao lado. Seu remetente: SAV – Serviço de Animação Vocacional.

Pelo remetente, e por estar onde estavam, aqueles envelopes provavelmente contêm as fichas de ‘candidatos’ ao cargo de Padres. E isso interessa muito ao homem que repousa naquele quarto.

Durante alguns instantes, contemplei aquela pilha, pensando em quantos destinos estavam mudando ali pela simples presença daquela ficha dentro daqueles envelopes naquela porta específica... Quantos nomes de futuros grandiosos padres estavam ali diante de mim? Quantos destinos estavam sendo traçados ali naquela hora? Tanto o daqueles jovens, quanto o das pessoas das cidades para onde aqueles padres serão mandados um dia após sua Ordenação. Todas as pessoas que aqueles jovens e futuros padres irão aconselhar, casar, batizar, abençoar... Muitas coisas estavam envolvidas ali naqueles envelopes. Fiquei bastante admirado com aquela simples pilha.

Eu estava escrevendo esse texto, e meu Word pifou antes de eu pudesse salvá-lo. Perdi umas idéias interessantes sobre as palavras do Padre pouco antes da Consagração da Eucaristia. T-T Mas vamos continuar com outra notícia:

Meu Anel de Tucum, (um anel preto que pessoas nos grupos de jovens, leigos e padres entre outros, usamos, e que significa um compromisso com os Jovens, com os Pobres, e com o Reino de Deus) presente da minha estimada amiga Cris, quebrou. Na verdade, EU quebrei. No meu trabalho, eu fiquei estressado, nervoso, e louco da vida por conta de um ‘pequeno’ erro de cálculo. Temendo a bronca que levaria, fiquei meio assustado. E também com raiva das coisas que só estão, em sua maioria, dando errado por esses dias. E como por conta da nova máquina de banner, foi aberto um buraco na parede para a colocação de um exaustor (para sugar e eliminar o forte cheiro de solvente que a máquina libera), eu olhei para o buraco, e pensei: ‘que buraco bonito! Acho que vou abrir um outro aqui nessa parede.’ E de repente, TUM! Dei um murro na parede! Apenas para desabafar meu stress. Nada de errado nisso, certo? Só que na hora em que voltei a mão, algo pequeno e preto praticou rapel sem corda descendo da minha mão.

Era um pedaço do anel. Ele quebrou-se em três pedaços, os quais guardei bonitinho dentro de um envelope pequeno improvisado na hora. Eu quase chorei. Também, foi loucura ter dado um soco daquele jeito na parede. Eu lembrei do anel na hora, mas diz que alguém pensou mesmo em tirar?

A minha sorte foi que na 3ª Etapa da Escola, ganhamos todos um Anel de Tucum, o qual, eu tinha guardado com carinho na carteira. Desde então, passei a usá-lo.

Fim.

Sei que estou meio triste, meio confuso, meio com certeza, mas também estou motivado. Vamos continuar!!

Um comentário:

Inu disse...

Marcelo...
AS paredes não aceitam nem chutes nem socos...
Na próxima, acho que vc vai dar é uma CABEÇADA!!!